Parque Malwee inova com a iluminação ecoeficiente


O Parque Malwee concluiu a substituição de 1.579 lâmpadas fluorescentes por equipamentos com a tecnologia LED em toda a sua área externa. O objetivo é melhorar a eficiência do sistema, reduzindo o consumo de energia e o impacto ambiental causado pelas lâmpadas comuns. Ao contrário das lâmpadas fluorescentes, as LEDs não possuem mercúrio em sua composição e emitem menos CO² - um dos principais gases responsáveis pelo aquecimento global. Segundo estudos, a substituição trará redução de 63% na emissão de CO².

“Essa é uma lâmpada fria, que não aquece os ambientes, gerando maior conforto térmico. Além disso, a vida útil do LED é de aproximadamente 50 mil horas, enquanto uma lâmpada fluorescente não ultrapassa a barreira de 10 mil horas”, explica Taise Beduschi, gestora de sustentabilidade do Grupo Malwee. Nas fábricas - A troca das lâmpadas do Parque Malwee é a primeira fase de um projeto que prevê a adoção de energia ecoeficiente em todas as quatro unidades fabris da companhia: três em Santa Catarina (nas cidades de Jaraguá do Sul e Pomerode), e em Pacajus, no Ceará. A previsão é de que até julho, todas as fábricas estejam operando com iluminação LED.

Ao todo, mais de 30 mil lâmpadas serão substituídas em áreas administrativas, de produção e ambientes externos. Essa iniciativa faz parte do compromisso público do Grupo Malwee de preservar o meio ambiente e reduzir os impactos ambientais gerados pelas suas atividades. “Até 2020, nossa meta é reduzir em 40% as emissões de Gases de Efeito Estufa que resultam da utilização de combustíveis, do consumo de energia elétrica e de processos de tratamento de resíduos e efluentes”, reforça Taise.

Fonte: http://www.jdv.com.br/noticia/10777/parque-malwee-inova-com-a-iluminacao-ecoeficiente




Veja também



Semana Lixo Zero será realizada de 23 de outubro até 1º de novembro em Santa Maria
Grupo peruano lança pratos compostáveis feitos de folhas de bananeira
Bacias de plástico ajudam a gerar energia eólica para vietnamitas de baixa renda
Plástico e resto de cigarro são mais de 90% dos resíduos vistos no mar