Economia verde criaria 15 milhões de empregos


A transição para uma economia com zero emissões líquidas de carbono poderia criar 15 milhões de novos empregos líquidos na América Latina e no Caribe até 2030. É o que diz o relatório O Emprego em um futuro de zero emissões líquidas na América Latina e Caribe, um estudo de Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgado nesta quarta-feira, 29 de julho de 2020.

Os organismos internacionais lembraram que, para apoiar uma recuperação após a pandemia de COVID-19, a região precisa urgentemente criar empregos decentes e construir um futuro mais sustentável e inclusivo.

Segundo a publicação, a transição para uma economia de zero emissões líquidas provocaria o desaparecimento de cerca de 7,5 milhões de empregos no setor elétrico, atualmente baseado em combustíveis fósseis, na extração de combustíveis fósseis e na produção de alimentos de origem animal.

No entanto, essas perdas seriam mais do que compensadas: 22,5 milhões de empregos seriam criados nos setores de agricultura e produção de alimentos baseados em plantas, eletricidade renovável, silvicultura, construção e manufatura.

Dieta Sustentável
O relatório também é o primeiro a destacar como a mudança para dietas mais saudáveis e sustentáveis, que reduzem o consumo de carne e de laticínios e aumentam o de alimentos à base de plantas, criaria empregos e reduziria a pressão sobre a biodiversidade da região.

Com essa mudança, o setor agroalimentar latino-americano e caribenho poderia criar o equivalente a 19 milhões de empregos em período integral, o que compensaria amplamente a redução de 4,3 milhões empregos nos setores de pecuária, avicultura, laticínios e pesca.

Novos modelos de negócio
Além disso, o relatório oferece um plano sobre como os países podem criar empregos decentes e promover a transição para alcançar zero emissões líquidas.

Isso inclui políticas públicas que facilitem a realocação de trabalhadores e trabalhadoras, promovam o trabalho decente nas zonas rurais, ofereçam novos modelos de negócios e melhorem a proteção social e o apoio às pessoas deslocadas, às empresas, às comunidades e aos trabalhadores e às trabalhadoras.

O diálogo social envolvendo o setor privado, os sindicatos e os governos é essencial para a elaboração de estratégias de longo prazo para alcançar zero emissões líquidas de carbono que gerem empregos, ajudem a reduzir a desigualdade e atendam os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Fonte: Ciclo Vivo




Veja também



Você sabe onde destinar resíduos plásticos de forma correta?
Adidas vai produzir 11 milhões de tênis feitos com plástico dos oceanos
Holanda cria ciclovias que geram energia limpa
Software revoluciona a tomada de decisão para o design de embalagens