Projeto de biometano feito por Itaipu dá certo e pode ser replicado por empresas privadas




A unidade de Demonstração de Biogás e Biometano, instalada nas dependências da usina hidrelétrica de Itaipu, em Foz do Iguaçu / PR, produziu 17.458 m³ de biometano em 2018, volume suficiente para abastecer a frota dos 80 veículos da binacional movidos a este combustível.

Ao longo do ano, os carros percorreram 210.000 Km, o equivalente a cinco voltas no Planeta Terra. A planta foi inaugurada em junho de 2017 pela Itaipu em parceria com o Centro Internacional de Energias Renováveis – Biogás ( CIBiogás – www.cibiogas.org ). Para produção do biometano, foi feito o tratamento de todo o resíduo orgânico gerado nos restaurantes internos da hidrelétrica, além de parte da poda da grama e de outros materiais enviados por entidades parceiras. No total, foram tratadas 155 toneladas de resíduos. Como subproduto, foram produzidos 48 mil litros de biofertilizante, que é usado como adubo nos canteiros e gramados da usina. Ao longo do ano, foi evitada a emissão de 1.260 kg de gases causadores do efeito estufa.

Até junho do ano passado, o abastecimento da frota de veículos a biometano de Itaipu tinha a contribuição do biometano produzido em uma planta instalada na Granja Haacke, em Santa Helena. Outra parceria foi com a Receita Federal que enviou uma carga de cigarro para ser usada como matéria-prima do biometano. Inaugurada em 2017, a planta usa tecnologia 100% nacional e pode ser replicada em indústrias, cooperativas, hotéis, além de servir como política pública para as prefeituras resolverem o problema do lixo urbano e atenderem às exigências da Política Nacional de Resíduos Sólidos. O modelo pode se adaptar às diferentes escalas de produção devido ao material aplicado, fibra de vidro, e a forma que os biodigestores são montados, em módulos que permitem aumentar ou reduzir o tamanho do biodigestor, de acordo com a demanda.

O biogás é levado para dois gasômetros flexíveis que têm a capacidade de armazenar até 500 m³ por dia. Dali, o gás passa pelo processo de refino. Assim como o petróleo, o biogás não pode ser usado de forma bruta, por ter contaminantes prejudiciais ao motor do automóvel. Na refinaria são retirados o gás sulfídrico ( enxofre ), CO2 e água. O produto final, com 96% de pureza, tem as características exatas do gás natural. O biometano é pressurizado em 150 bars, para poder ser armazenado, abastecer os cilindros dos veículos e ser utilizado.

Fonte: https://www.saneamentobasico.com.br/projeto-biometano-feito-itaipu/