Canadá vai banir plástico descartável do país em 2021


O governo canadense acaba de decretar o fim do uso de sacos, canudos, talheres, embalagens e outros produtos de plástico descartável no país até o final de 2021. O anúncio foi na quarta-feira, 7, pelo atual ministro do meio ambiente, Jonathan Wilkinson. Ele reconheceu que o Canadá está, hoje, alguns passos atrás da Europa nos esforços para reciclagem; por isso, promete banir do país os plásticos mais prejudiciais ao meio ambiente.

A medida faz parte de um plano maior, que prevê a eliminação de resíduos de plástico até 2030. A pauta está no centro da agenda climática e ambiental do primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau. Em coletiva de imprensa, Wilkinson mostrou preocupação com a ameaça que a poluição por plástico representa para o meio ambiente, contaminando rios, lagos e oceanos e ceifando a vida de animais aquáticos.

Prós e contras do plástico para o meio ambiente:
De acordo com o governo canadense, o plástico descartável ​​constitui a maior parte do lixo plástico presente nos ambientes de água doce do Canadá. Além disso, os plásticos descartáveis são prejudiciais ao meio ambiente, difíceis ou caros de reciclar e não são primordiais, uma vez que já existem alternativas mais sustentáveis disponíveis.

O governo estima que os canadenses joguem fora, anualmente, mais de 3 milhões de toneladas de lixo plástico. São descartadas 15 bilhões de sacolas por ano e 57 milhões de canudos por dia. Desse total, somente 9% é reciclado: o restante vai parar em aterros sanitários ou no meio ambiente.

O primeiro ministro declarou que o governo pretende aumentar o percentual de reciclagem de plásticos para 90%, em consonância com as metas europeias até 2029. Wilkinson ainda afirma que muitos plásticos ainda continuarão a ser de uso único, mas ressalta a importância de que eles sejam reciclados para evitar mais danos ao meio ambiente.

O governo propõe também estabelecer requisitos mínimos para a composição de material reciclado em produtos e embalagens. A ideia é estimular os processos de reciclagem e convidar as empresas a trabalhar em designs de produto que estendam a vida útil dos materiais plásticos. O plano do governo inclui também soluções para manter o plástico presente na economia, sem prejudicar o meio ambiente.

EPIs de plástico e coronavírus
Os equipamentos de proteção individual, ou EPIs, se tornaram parte da vida das pessoas durante a pandemia do novo coronavírus. Muitos desses equipamentos contêm plásticos descartáveis em sua composição. Por isso, Wilkinson esclareceu que a proibição do plástico de uso único não vai afetar o acesso a EPIs ou a qualquer outro plástico usado na rotina médica.

Por outro lado, ele afirma que o governo está de olho na poluição provocada pelo uso de equipamentos de proteção. O ministro do meio ambiente ressaltou que questões relacionadas à poluição por EPIs foram discutidas no Conselho Canadense de Ministros do Meio Ambiente. Ele afirma que o governo se compromete a trabalhar em conjunto com a indústria para garantir o descarte adequado ou a reciclagem desses equipamentos, pensando também em soluções para transformar parte dos EPIs em produtos biodegradáveis.




Veja também



Pesquisadora cria adesivo sustentável à base de semente de mamona
Vietnamita usa capim para fabricar canudos compostáveis
Londres será a primeira cidade receber o projeto Uber Green
Lixo no Japão: país dá exemplo no tratamento de lixo e cuidado com o meio ambiente