Estudantes criam lâmpadas a partir de resíduos


Seis estudantes do Instituto Tecnológico de Monterrey, no México, desenvolveram lâmpadas solares de baixo custo feitas com materiais orgânicos encontrados na natureza como barro, feijão, cacto, entre outros.

A iniciativa deve ajudar pessoas que vivem em áreas rurais isoladas e com eletricidade limitada, pois sabe-se que cerca de 1,8 milhão de mexicanos vivem sem eletricidade e outros 5 milhões têm acesso limitado à energia.

Liderado por Moisés Hernández, as luminárias foram feitas com materiais como vime, agave, casca de coco, barro e feijão preto – todos comumente encontrados em áreas rurais e com baixa pegada de carbono, pois são biodegradáveis. As lâmpadas incluíam componentes eletrônicos simples e um pequeno painel solar, que pode ser facilmente transferido para uma nova lâmpada – caso a luminária seja danificada.

O projeto
A iniciativa foi inspirada na lâmpada Little Sun – movida a energia solar – do artista islandês Olafur Eliasson Hernández e seus alunos aceitaram o desafio de desenvolver lâmpadas com uma menor pegada de carbono possível, usando biomateriais e métodos de fabricação de baixo custo.

Enquanto a lâmpada Little Sun de Eliasson é projetada para durar, os projetos mexicanos foram pensados para serem facilmente construídos e substituídos sempre que necessário. Dessa forma, as pessoas precisariam apenas dos componentes eletrônicos e do painel solar. A estrutura principal pode ser consertada ou simplesmente substituída por outra, a partir de materiais encontrados no próprio meio ambiente.

As lâmpadas projetadas pelos alunos demonstram que é possível criar luminosidade, a partir de uma ampla variedade de materiais, e que podem ser atraentes, sem causar impactos ambientais e ainda serem fabricadas localmente.

Fonte: Pensamento Verde




Veja também



Saiba quais são as características, os usos, processo de produção e a reciclagem do poliuretano
Número de compradores de produtos sustentáveis cresce 55%
Você sabe o que é sustentabilidade?
A borra de café pode ter um destino sustentável