Coronavírus: voluntários ajudam comerciantes de São Carlos e mais três cidades durante a pandemia


Uma rede de voluntariado tem se espalhado por diversas cidades do Brasil com o objetivo de ajudar pequenos comerciantes a vender durante a pandemia do novo coronavírus. Para manter a economia local girando, mais de 14 voluntários de Águas da Prata, São Carlos, São João da Boa Vista e Tambaú (SP) dedicam uma parcela do dia para divulgar produtos e serviços nas redes sociais.

O movimento nomeado como “Fortalece” foi fundado em Curitiba (PR) e logo se expandiu para outras cidades. Na região, a iniciativa ganhou força por meio dos alunos da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) que permaneceram em São Carlos durante a quarentena.

Foi durante uma conversa na república onde moram os estudantes Franco Rocha Pereira e Iuri Bonna Maurício de Abreu, ambos com 22 anos, que o projeto nasceu. Eles decidiram ajudar as pessoas durante o período de isolamento social e ganharam o apoio dos alunos Mariana de Carvalho Beltrame, de 21 anos, e Felipe Patricio Tersi, de 24 anos.

Por meio de ligações telefônicas, os estudantes conseguiram os dados de alguns locais e prepararam um conteúdo para o lançamento da página. De acordo com Pereira, com o material de divulgação inicial, a população pôde entender que o Fortalece Sanca não se baseia na quantidade de pessoas que trabalham nos estabelecimentos, mas sim em suas estruturas.

“Os pequenos comerciantes são os que mais temos interesse em ajudar, porque eles não têm ligação com nenhuma organização maior e têm menos suporte para passar pelo período de quarentena”, explica o universitário.
Em cinco dias, a equipe recebeu 90 inscrições de lojas interessadas em divulgar serviços e produtos de diferentes setores. A estimativa é de que mais de 400 pessoas estejam envolvidas nestes negócios, sendo que apenas 10% deles são cadastrados em aplicativos de entregas.

Mudanças nos negócios
Os voluntários também oferecem um serviço de consultoria para quem não está vendendo porque o trabalho envolve aproximação, deslocamento ou contato físico com o consumidor. Os interessados em receber suporte e adaptar o modelo de negócio ao atual cenário podem entrar em contato pelas redes sociais ou pelo número (16) 997712353.

Sete pessoas se dividem nas ações de relações públicas, marketing e redes sociais para dar conta de publicar na página um comércio por dia.

Além da divulgação, o grupo está fazendo um trabalho de conscientizar, por meio da ciência, a população sobre os motivos para ficar em casa durante a quarentena, a existência dos decretos estaduais e municipais, além da necessidade de lavar as mãos com água e sabão.

Fonte: G1




Veja também



Após contaminação do rio Pará, ONU diz que segurança ambiental deve ser prioridade na mineração.
Home Biogás – Os resíduos orgânicos viram gás de cozinha
Camera envasará álcool 70% para Estado
Lixo no Japão: país dá exemplo no tratamento de lixo e cuidado com o meio ambiente