Voluntários criam iniciativas para ajudar pessoas durante a pandemia de coronavírus no RS


Foco é auxiliar principalmente idosos e pessoas que estão nos grupos de risco. Iniciativas vão desde entregas de produtos até aulas online.

Fazer a conexão entre voluntários e pessoas que precisam de ajuda é o objetivo de iniciativas que foram criadas pela internet, no Rio Grande do Sul, durante a pandemia da Covid-19. Para fazer parte é simples: se você pode ajudar, se cadastra como um voluntário; se é do grupo de risco ou precisa muito de algum serviço, pode buscar as alternativas através dessas plataformas.

Em Porto Alegre, nasceu o Ajuda Coronavírus. Para participar, basta fazer um cadastro. No caso de ser voluntário, a pessoa coloca onde, como e qual período do dia pode ajudar — o auxílio pode ser em qualquer lugar do Brasil.

Quem precisa de ajuda informa qual serviço necessita: compra de medicamentos, alimentos básicos ou produtos de higiene. O alcance do site em todo o país surpreendeu o empresário Pedro Viana, criador da iniciativa.

"A gente já ultrapassou os 950 voluntários no Brasil inteiro. Porto Alegre em primeiro lugar, Pelotas [em segundo] e, depois, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília", afirma.

Já a psicóloga Daniela Almeida Seus e o desenvolvedor Eduardo Villão, que também moram na Capital, tiveram a ideia de criar uma plataforma de ajuda somente pela internet, auxiliando pessoas durante o período de isolamento social.

No site Juntos Contra o Corona, há voluntários que se colocam à disposição para criar sites para microempreendedores, psicólogas que oferecem acompanhamento, aulas de yoga, entre outros serviços. Quem precisa de ajuda e não encontra a oferta em um primeiro momento, pode fazer a postagem e esperar um voluntário.

"A iniciativa começou no domingo (22). Já temos oito voluntários e um pedido de ajuda. Esse pedido de ajuda já foi concluído, inclusive", comenta Eduardo.
Em Bento Gonçalves, na serra gaúcha, o perfil Fica em Casa Bento conecta entregadores com pessoas que não podem sair de casa. Segundo o professor Eduardo Pompermayer, fundador do serviço, a principal demanda é por produtos de farmácias e supermercados, já que o foco é os grupos de risco.

"Já pudemos ajudar uma moça que está em tratamento de quimioterapia. Fiquei muito feliz por alcançar essa situação. E depois que fizemos a entrega, ela se tornou uma doadora", conta.

As entregas são feitas sem nenhum custo. Quem tem interesse em doar uma quantia em dinheiro para ajudar o serviço a seguir ativo também é bem-vindo. Todos os entregadores receberam luvas, máscaras e álcool em gel.

"Aqui em Bento Gonçalves, mesmo os lugares que dispõem de tele-entrega não estão conseguindo dar conta. Eu achei esse serviço fenomenal porque fez chegar a mim, sem custo algum, os alimentos que encomendei pra semana. Ao mesmo tempo, quem pode ajudar com qualquer doação sabe que está fazendo a diferença. O rapaz chegou aqui com o maior profissionalismo e cuidados para a não transmissão. Não sei quem é, nem vi seu rosto, mas o gesto fica marcado e faz a gente acreditar no poder da gentileza", conta a jornalista Ana Carolina Azevedo, uma das usuárias do serviço.

Fonte: https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2020/03/23/voluntarios-criam-iniciativas-para-ajudar-pessoas-durante-a-pandemia-de-coronavirus-no-rs.ghtml




Veja também



Resíduos de peixe podem ser aproveitados
O que é tecnologia limpa?
Dessalinização avança no Brasil
Cloro passa a ser produzido a partir da água do mar em Fernando de Noronha