Pesquisadora cria campanha de 'Adoção' de idosos para aplacar a solidão da quarentena


Em São Paulo, uma pesquisadora resolveu criar uma campanha de 'adoção' de idosos para aplacar a solidão da quarentena. A iniciativa é de Marília Duque, que faz doutorado em envelhecimento e o uso de smartphones e descobriu que muitos idosos usam celular.

Ela criou o site http://saudeeenvelhecimento.com.br/anjo/ e dá orientações para acompanhar os idosos. Entre elas, estão: mandar mensagens de manhã, de tarde e de noite, perguntar se está bem, se dormiu; ficar disponível para conversar; e dar orientações sobre como buscar ajuda médica, caso necessário.

Isolar-se do convívio social presencial pode ser uma ótima medida preventiva contra o Coronavírus, especialmente para a população acima de 70 anos, que apresenta a maior taxa de mortalidade pelo vírus. O ponto negativo é que o isolamento pode trazer o sentimento de solidão, de abandono e de desamparo. Mas isso não significa que os idosos tenham que passar por isso sozinhos.

De onde veio a inspiração?

A ideia que vou apresentar aqui é baseada em uma pesquisa de 16 meses na qual observei o uso de smartphones por idosos. Se tem um aplicativo que eles usam é o WhatsApp, inclusive para construir redes de cuidados e solidariedade. Eu tenho dois exemplos preciosos. Minha proposta é: vamos aprender com eles e colocar a mão na massa?

A ideia é simples: ter uma pessoa no WhatsApp que vai funcionar como um anjo da guarda, um verdadeiro ponto de apoio para idosos que moram sozinhos. A ideia pode ser aplicada em qualquer lugar do mundo. Mas é importante fazer como o vírus e começar com as pessoas com quem você tem contato. Por isso, esqueça seu país, esqueça sua cidade. Pense pequeno: comece pelos seus contatos do WhatsApp.

Encontrou o contato de WhatsApp de um idoso que mora sozinho? Então seja o Anjo da Guarda dele:

1) Mande mensagens para ele de manhã e/ou de noite. Pergunte como ele está, se dormiu bem, se comeu, se teve febre, se teve tosse.

2) Esteja disponível para conversar.

3) Esteja pronto para orientá-lo sobre como buscar orientação médica. O Ministério da Saúde desenvolveu um app com roteiro de perguntas para triagem e com mapa das Unidades de Saúde usando geolocalização. Busque CORONAVÍRUS SUS na sua loja de aplicativo.

4) Você também pode manter o idoso informado com notícias de fontes confiáveis O Ministério da Saúde preparou uma página sobre o Coronavírus que pode ser acessada https://coronavirus.saude.gov.br/. O app CORONAVÍRUS SUS também oferece dicas e notícias confiáveis.

ATENÇÃO: o papel do voluntário não é fazer diagnóstico nem dar recomendações médicas. Sua função é ser um ponto de apoio e auxiliar o idoso com informações sobre como buscar ajuda médica ou uma unidade de saúde.

Mas por que isso é importante?

1) Dar suporte e diminuir o sentimento de solidão dos idosos durante isolamento por conta do Coronavírus.

2) Duas cabeças pensam melhor que uma: vocês podem discutir as notícias sobre o Coronavírus e fazer uma dupla checagem antes de compartilhá-las com seus amigos.

3) O aplicativo do SUS é realmente muito bom. Mas uma das maiores dificuldades dos idosos (principalmente acima dos 70) é com o download e instalação de novos aplicativos. Você pode ser uma ponte entre o idoso e as informações e orientações contidas no aplicativo do SUS.

Em 2015, 44,3% das 10,4 milhões de pessoas moravam sozinhas no Brasil tinham 60 anos ou mais. Procure com carinho na sua lista de contatos. E lembre-se: idosos também podem ser anjos da guarda de idosos. Mais um detalhe: a taxa de analfabetismo entre pessoas com mais de 60 anos varia de 10,3% a 27,5% no Brasil. Mas isso não é problema. Voluntários e idosos também podem usar o recurso de áudio do WhatsApp.

Lembre-se: pense pequeno, comece por perto, faça uma grande diferença.

Fonte: http://saudeeenvelhecimento.com.br/anjo/




Veja também



Pesquisadora cria adesivo sustentável à base de semente de mamona
Garrafa sem plástico se decompõe em três semanas
Trilha Econext online: conversa abordou o Gerenciamento de Resíduos Sólidos no cenário atual
Empresa curitibana produz móveis exclusivos com cordas ecológicas