Países dão exemplo no combate ao aquecimento global




Pesquisadores já fizeram o alerta: os oceanos estão sendo aquecidos 40% mais rápido do que se pensava e o aumento das temperaturas pode causar enormes inundações, secas, falta de alimentos e incêndios até 2040.

Diante dessa projeção caótica, é preciso desempenhar ações que combatam o aquecimento global e alguns países estão focados nessa contribuição.
Nações europeias dominam a lista de colaboradoras, segundo o Good Country Index (Índice dos Bons Países, em tradução livre), que mede o impacto de cada país no mundo, como uma marca ecológica em relação à economia e às porcentagens de energia reutilizável utilizada. Felizmente, em todos os continentes medidas vêm sendo desempenhadas para salvar o planeta. Veja alguns exemplos:

Noruega

O país nórdico ocupa o primeiro lugar no ranking Planeta & Clima do Índice de Bons Países. A Noruega tem a maior taxa de adoção de carros elétricos do mundo e um compromisso governamental de ser neutro em influências climáticas até 2030.

A capital Oslo foi nomeada a Capital Verde da Europa em 2019 pela Comissão Europeia por restaurar seus canais, investir em bicicletas e transporte público e por sua estratégia financeira climática inovadora (tornando as emissões de dióxido de carbono rastreáveis assim como fundos financeiros).

Portugal

O território português foi pioneiro no investimento de uma rede inteira de abastecimento de carros elétricos (que era grátis até recentemente), no incentivo aos seus cidadãos a instalarem painéis solares e energia renovável com preços mais baixos, além de oferecer a oportunidade de vender a energia de volta ao sistema.

A reutilização de resíduos também é ponto forte, com a reciclagem e compostagem. Há lixeiras específicas em cada bairro, incluindo uma para baterias.

Na questão da mobilidade urbana, aluguéis de patinetes elétricas foram introduzidos em Lisboa e estão se tornando muito populares.

Uruguai

O país da América do Sul se tornou um líder global de energia sustentável — tanto por necessidade quanto por respeito ao planeta, e é considerado um dos destinos mais éticos por causa de políticas socioambientais.

O Uruguai não possui reservas de petróleo e tinha altos gastos financeiros na importação.Em razão disso, começaram a substituir combustíveis com base de petróleo pelos de energia limpa, o que foi conquistado em menos de uma década. Hoje, cerca de 95% da eletricidade vêm de fontes renováveis, a maioria de hidroelétricas, mas também de energia solar, eólica e biocombustíveis.

O transporte público (a maior parte dele mantido por eletricidade) pode ser encontrado nas grandes cidades. O Aeroporto Internacional de Carrasco, na capital de Montevidéu, também está próximo de ser totalmente sustentável com uma instalação de energia solar fotovoltaica — será o primeiro país da América Latina a ter essa estrutura.

Quênia

Com padrões climáticos extremos e frequentes períodos de seca, o Quênia já está vivendo o drama dos efeitos iniciais das mudanças climáticas. O governo está trabalhando para proteger sua economia extremamente dependente da agricultura, por meio de um Plano de Mudanças Climáticas, se comprometendo a reduzir suas emissões de gás em 30% até 2030.

Outra iniciativa recente é a proibição de sacolas plásticas, cujo objetivo principal é proteger as fontes de águas do país. A proibição se tornou uma das mais estritas do mundo, com punição de prisão e multas altas caso moradores — ou até turistas — sejam vistos carregando uma.

Nova Zelândia

Líder da região Ásia-Pacífico, a Nova Zelândia leva a proteção de suas fontes naturais com muita seriedade, especialmente porque sua agricultura e economia baseada no turismo depende disso.

A Nova Zelândia está entre os principais emissores de carbono per capita, principalmente devido a suas emissões de metano por causa da grande indústria de gado e ovelha, assim como uma crescente energia industrial. No entanto, o país criou uma coalizão de vários partidos no Parlamento para criar a Rede Zero na Nova Zelândia, um plano para mapear as políticas necessárias para serem neutros na emissão de carbono até 2050.
As sacolas plásticas foram banidas dos supermercados, canudos plásticos não são vistos e a tendência por lá é ter uma garrafa de água reutilizável.

Fonte: https://www.pensamentoverde.com.br/sustentabilidade/paises-dao-exemplo-no-combate-ao-aquecimento-global/




Veja também



Cientistas transformam CO2 em carvão na Austrália
Sombra das árvores pode reduzir custos com ar condicionado
Empresas criam tênis feito com chiclete
Bacias de plástico ajudam a gerar energia eólica para vietnamitas de baixa renda